Era ele - Parte I

quarta-feira, janeiro 27, 2016

Era sua primeira viagem de avião. E sua primeira viagem sozinha.  E ela estava eufórica. Seu coração pulsava acelerado dentro do seu peito, a mente a mil e as mãos frias. Era quase como a sensação que sentia toda vez que lembrava que estava indo encontrar com ele. Depois de um ano de muitas ilusões, conversas ao longo das madrugadas, muita economia, ela tinha finalmente conseguido. Ela iria conhecer um pouco mais do mundo, numa viagem que não poderia ser feita sem ele.

Ele, que numa madrugada aleatória em uma rede social abandonada apareceu para conectar e fazê-la sentir o que jamais pensava que iria sentir. Ele que aliviava a sua loucura diária com algumas horas de conversas aleatórias, risos e uns sentimentos confusos que estavam ali, tentando deixá-la louca. A viagem foi tranquila, mesmo ela não estando. Passou as 3 horas comendo as recém feitas unhas, tentando se distrair com livros e músicas. Tentou até dormir. Mas não, nada a acalmava.

Chegou ao aeroporto deslumbrada. Ela que morava em uma cidade pequena, nunca vira tanta gente. Tantos abraços, lágrimas, gritos. Lembrou até do que as pessoas falavam. '' Aeroportos ja viram mais amores sinceros e casamentos '' .Distraída com tudo aquilo, nem se deu conta de ligar pra ele.  Na verdade, ela estava tão eufórica que nem conseguiria falar. Muito menos respirar. Ela só queria que ele estivesse lá a esperando. Como naquelas cenas de filmes que, mesmo sem acreditar em nada, insistia em assistir sempre.

Então perdida nos seus pensamentos, sentiu uma mão acariciando seu cabelo. Se na hora seu corpo não reconhecesse aquele toque elétrico mesmo que nunca tinha sentido, teria gritado. Mas era ele.

Virou na mesma hora, e só deu tempo de ver aquele sorriso largado que ela tanto tinha vontade de beijar. Era ele! Ele estava ali a esperando. Os cabelos bagunçados, a cara de sono com aquelas olheiras profundas que ela tanto amava, as bermudas de sempre. O colar. Era ele.
Tudo isso não durou um segundo. Pois ele a abraçou naqueles abraços de tirar do chão, a rodopiando  no meio do aeroporto. Aquele foi de longe, o melhor abraço que recebera. Quando ele a soltou, foi fisgada por olhos tão fundos e penetrantes, que pareceram ver a sua alma. '' Eu achei que não fosse te encontrar, no meio dessa gente toda.'' Ela sorriu. Era ele. Era o sotaque que tanto amava. Era aquela voz que a fazia tremer bem lá no fundo. Ela nem acreditava que ele já estava a esperando. E pela primeira vez, em muito tempo, pôde acalmar seu coração.

0 comentários:

Postar um comentário