Saudades do verão

sexta-feira, março 25, 2016

Esta é mais uma carta da garota que nunca disse, mas amaria ter você por perto novamente. Odeio me sentir uma idiota por não conseguir parar de pensar em você, não conseguir parar de pensar em alguém que deveria esquecer, alguém que não liga, alguém que fica de fora só me fazendo ouvir o som para que eu possa me lembrar do que eu devo esquecer.

Enquanto tudo a minha volta aspirava atenção, eu não conseguia desviar o olhar da sala lotada e eu sentindo apenas a sua falta. Enquanto eu deveria estar ouvindo a mensagem eu me lembrava da sua voz e sorria, sorria feito uma idiota e ninguém entendia, nem mesmo ela que estava ao meu lado e sabia de tudo.

Eu estava a lembrar da nossa primeira conversa, e todas as palavras soavam na minha cabeça me perturbando me fazendo entender realmente tudo. Lembrei-me de tudo que dissemos e lembrei que deveria te pedido para não machucar novamente meu coração, acho que foi ai que errei. Lembro-me do verão, dos dias quentes e do modo como você fez o coração aprisionado acreditar novamente.

Lembrei-me de nós, das conversas, e comecei a ver cada canto, cada banco, cada palavra e o modo como elas se desfizeram, o modo como o verão acabou e como ele levou com ele você. Realmente me senti uma idiota, lembrando-me de você e suas doces palavras. De repente começo a parar de pensar em você, consigo fazer meu cérebro raciocinar e parar de criar roteiros que eu sei que você não vai seguir, parar de imaginar todas as vezes que sonhei com você aqui e o quanto isso não aconteceu.

E naquele mesmo momento, mesmo com a sala lotada de pessoas que não entendiam nem o meu sorriso bobo por me lembrar de você, nem meus olhos que estavam cheios de lágrimas, de saudades, mas não o permitir derramar uma só lágrima, pois jurei não borrar mais a máscara por algo que eu deveria apenas esquecer.

Mas você está em cada palavra que eu escrevo bem como toda canção no rádio. Como uma dopamina feita sob medida, uma droga perdida, um vício inconstante, uma dor saudável, um coração partido, uma vida, dois amores e uma só saudade “nós dois”.

0 comentários:

Postar um comentário